Como aprendi a modelar e costurar?

Como aprendi a modelar e costurar?

Muitas pessoas acham que eu costuro desde novinha. Eu tive, claro, a influência da minha avó paterna, que era exímia costureira e sempre a vi fazendo vestidos em um quarto na casa dela mesmo. Achava o máximo! Sempre soube que eu queria fazer alguma coisa ligada à criatividade, mas fui me interessar pela costura e modelagem mesmo quando entrei na faculdade de moda.

Lá, eu tinha aulas de modelagem e costura com uma excelente professora, mas a turma era grande e o tempo de aula não era o suficiente para quem deseja se aprofundar. A faculdade foi muito importante para eu aprender sobre o cenário geral e escolher no que me aprofundar.

No segundo ano de faculdade, comecei a fazer um curso livre de modelagem e costura com uma grande modista em BH, que eu fiz aulas durante uns 5 anos.

 

 

Nesse período, comecei a fazer alguns projetos para a faculdade e também fiz um estágio em um ateliê de vestidos de festa e noiva. Com o tempo, fui ficando mais segura e resolvi fazer o meu primeiro grande desafio: um vestido de noiva sob medida.

 

A partir daí, fui divulgando meu trabalho em redes sociais e pegando encomendas, o que me fez crescer bastante na modelagem e costura. No início, fazia de graça ou por um valor simbólico para amigas e divulgava. A partir das indicações, o negócio começou a crescer.

 

 

Fiz um outro estágio em que eu trabalhava ajudando a coordenar a produção de roupas, mas peguei, por fora, algumas modelagens e peças piloto para fazer. Nesse mesmo período, ainda fazia curso de modelagem, moulage, faculdade e trabalhava nos vestidos de festa sob medida.

 

Tem pouco mais de 10 anos que eu ingressei na moda, mas o que mais contou para mim foi a prática, o fazer e a experiência. Fazer roupas sob medida me fez enxergar os “porquês” de muitas coisas na modelagem, a entender a anatomia do corpo. Nas roupas de festa, os acabamentos eram primordiais e eu, que antes da faculdade, não dominava habilidades manuais, tive que estudar e costurar muito para me aprimorar. Os resultados foram me animando e, como sou muito exigente, o que não ficava excelente, eu desmanchava e começava novamente.

Aprendi muito assim: no erro, fazendo inúmeras provas de roupa e refazendo.

 

 

Algumas vezes é frustrante? Sim. Mas uma dica é descansar e voltar para o trabalho com a cabeça mais fresca e não desistir. Eu não conheço ninguém que seja bem sucedido em uma habilidade que não treinou, treinou, errou, refez várias vezes, de maneiras diferentes para chegar a um bom resultado.

 

Eu costuro praticamente todos os dias da minha vida e o estudo nunca termina. Aprendo muito dando aula e me deparo com desafios constantemente. É claro que eu erro, mas procuro uma solução. Lembre-se que achar a solução depende de ter repertório e isso vem com a prática e o treino.

 

Meu conselho é sempre usar o algodão cru ou tecidos mais baratos para treinar. O zíper está difícil de colocar? Costure-o várias vezes em retalhos de tecidos finos, estruturados, dentre outros…não desanime! A evolução fica visível com o passar dos treinos.

 

 

Eu sempre lembro das minhas dificuldades que tive como aluna e como professora, recebo as dúvidas dos meus alunos no ateliê e nos cursos online. Na hora de dar aula, procuro abordar o conteúdo e o tema da maneira mais clara possível para que todas os “porquês” se encaixem.

Pensando nisso, criei um curso online para quem está começando ou quer desenvolver técnicas de modelagem. O curso é “Como modelar e confeccionar saias” Eu entendo que modelagem e costura têm que andar de mãos dadas no processo de aprendizagem. Com minha experiência, sei que quando se visualiza a modelagem em três dimensões, o risco faz sentido e as possibilidades podem ser exploradas de várias formas.

 

Caso você se interesse em saber mais, CLIQUE AQUI!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *