Problemas comuns com acabamentos

Avalie nossa página

Problemas comuns com acabamentos

 

Vou falar os problemas mais comuns que já tive quando era aluna de costura e que também recebo em relatos de alunas(os) ou seguidores em relação aos acabamentos de uma peça de roupa. Vou dar dicas de como você pode contorná-los.

 

1. Comprar o tecido pensando tamanho do molde e esquecer do tecido extra para fazer os acabamentos – esse problema pode ficar ainda maior, pois a pessoa tem que voltar na loja para comprar mais tecido e o mesmo pode ter acabado.

 

*Dica: sempre considere uma margem de segurança na compra dos tecidos ou faça o estudo do modelo antes, para que você saiba qual tipo de acabamento interno e/ou de cava, decote e barra que irá executar.

2.Querer acabar a roupa rápido e com pressa pode fazer com que o acabamento não fique bom. Muitas vezes, você gasta o dobro de tempo para desfazer a fazer de novo e pode até danificar o tecido ou puxar algum fio, piorando o resultado.

*Dica: “subir parede é mais rápido, o que demora são os acabamentos”. Leve essa ideia com você. Algumas vezes, já montamos as costuras principais da peça e achamos que estamos quase finalizando, mas é necessário reservar um tempo para os acabamentos e saber que será preciso foco e atenção nessa parte.

Veja alguns acabamentos feitos por mim e como eles fazem toda a diferença na peça de roupa:


3.Ficar com pouca paciência para a finalização, algumas vezes, nos traz falta de soluções para os problemas. Você pode acabar escolhendo a solução errada, não lembrar de alguma ferramenta que pode te ajudar e gastar mais tempo e dinheiro para refazer um detalhe.

*Dica: essa situação é similar à anterior, mas no sentido de estar cansada para as costuras finais. Quando isso acontece comigo, eu tento dar um tempo para esfriar a cabeça, nem que seja o tempo de tomar um café. Se não houver um prazo apertado, deixo para fazer no dia seguinte. Assim, mais calma e com a cabeça fria, consigo ter mais capricho e paciência e visualizar melhor o que pode ser feito, caso surja algum desafio.

Exemplo: no meu desfile de formatura no final de 2012, fiz um vestido de lã com couro sintético. Ele já estava praticamente pronto quando escolhi o acabamento errado para o zíper. O couro era pesado, quase como um couro de sofá e a saia possuía vários recortes. O zíper não podia ser invisível, por causa da textura do couro. Teria que ser um zíper comum. Eu resolvi pespontar o zíper que passava pela saia de couro e pelo corpinho de lã. Quando pespontei, o buraco da agulha ficou muito aparente e, mesmo em uma pequena parte da peça, aquilo me incomodou muito. Eu estava confeccionando a saia há um tempo e fiquei muito frustrada com o zíper. Descansei e decidi refazer a saia toda novamente, desmanchar o vestido e montá-lo com a saia nova. Eu preguei o zíper comum da mesma maneira que se prega o invisível. O trilho ficou aparente, mas não teve problema nenhum, ficou muito bom. Quando eu tive esse problema eu sabia as técnicas, mas eu não fiz a melhor escolha para o tipo do tecido. Eu tive que refazer e pensar em uma escolha melhor para o fechamento. E assim, ele ficou ótimo. Por ansiedade, eu escolhi a solução errada, não lembrei que existe uma agulha de couro que evita as marcas e gastei tempo e dinheiro – por ter que fazer outra saia – para refazer um detalhe.

Isso já aconteceu com você?

Veja o resultado do vestido de formatura

Espero que tenha gostado!

P.S.: Quer aprender comigo a fazer acabamentos primorosos e aumentar o seu repertório na costura? Conheça o meu curso online “Acabamentos Primorosos e Técnicas de Costura”.

Todas as informações estão AQUI

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *